Quinta, 11, Agosto, 2022
Política 31, julho, 2022

Cresce a filiação de mulheres em partidos políticos, mas espaço ainda é pequeno

thumb

Apesar de representarem uma fatia significativa dos filiados a partidos políticos, 47,72% do total – no último pleito eram 44% -, as mulheres são minoria entre os postulantes a um cargo eletivo. Em 2018, elas representaram apenas 32% das candidaturas deferidas, conforme os dados do Tribunal Superior Eleitoral.

São também maioria do eleitorado (53%), mas ocupam apenas 12,32% dos 70 mil cargos eletivos, segundo o Mapa da Política, elaborado pela Procuradoria da Mulher no Senado.

Na Paraíba, parlamentares femininas, como as deputadas estaduais Camila Toscano (PSDB) e Rafaela Camaraense (PSB), defendem uma maior participação no processo eleitoral deste ano, mas entendem que fatores como machismo, falta de uma rede de apoio e a violência política de gênero as afastam das disputas eleitorais.

A ONU aponta que 82% das mulheres em espaços políticos no Brasil sofreram violência psicológica. Para Camila, que é pré-candidata a deputada estadual, apesar do aumento no número de filiadas é necessário que as mulheres se candidatem e disputem um cargo eletivo.

“Sabemos que ainda não é fácil para a mulher estar na política, mas precisamos mudar essa realidade. Demos um passo importante que foi o aumento do número de mulheres filiadas a partidos políticos, mas precisamos de mais. Precisamos de incentivos e, sobretudo de respeito”, reassaltou.

A deputada estadual e pré-candidata a deputada federal Rafaela Camaraense defende mais abertura e apoio dos partidos para as candidaturas femininas.

“Os partidos são fundamentais nesse processo de recrutamento e encorajamento das candidaturas femininas, sobretudo da juventude. Sabemos que não é fácil estar na vida pública, mas é essencial que nós mulheres comecemos a mudar essa realidade no Brasil”, destacou Rafaela.

Ela complementou: “Todos sabem que a visão feminina para diversos temas tem mudado a realidade de muita gente. Dados mostram, por exemplo, que municípios administrados por mulheres são mais bem sucedidos em diversas áreas. É isso que precisamos observar e encorajar cada vez mais mulheres a ingressar na política”.

Mais dados – Os dados do TSE mostram que nas eleições de 2018 foram eleitas apenas 290 mulheres (16%) para algum dos 1.790 postos eletivos, entre Congresso, Assembleias, governos estaduais e Presidência da República. Essas estatísticas mostram que a presença feminina na vida partidária ainda está longe da igualdade desejada.

Juventude – Os eleitores jovens, na faixa etária de 16 a 24 anos, constituem 13,28% do total de eleitores no Brasil. Desses, apenas 1,86% – 302.501 pessoas – são filiados a partidos políticos.

As agremiações que contam com o maior número de jovens em suas fileiras são a Unidade Popular (UP), com 35,8%, o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), com 10,1%, e a Rede Sustentabilidade (Rede), com 7,4%.

Violência Política – Segundo a ONU Mulheres, 82% das mulheres em espaços políticos no Brasil sofreram violência psicológica; 45% sofreram ameaças; 25% sofreram violência física no espaço parlamentar; 20%, assédio sexual; e 40% afirmaram que a violência atrapalhou a sua agenda legislativa.

Fonte Blog Sony Lacerda