Segunda, 14, Junho, 2021
Saúde 4, junho, 2021

Instituto Cândida Vargas alerta para importância do Teste do Pezinho

thumb

Capaz de diagnosticar doenças genéticas, metabólicas e infecciosas, o teste de Guthrie, popularmente chamado de teste do pezinho, é um dos exames de triagem mais importantes do recém-nascido. No Dia Nacional do Teste do Pezinho, lembrado que será lembrado neste domingo (6), o Instituto Cândida Vargas (ICV) destaca a importância desse exame como um dos processos de triagem neonatal para evitar sequelas graves permanentes como a deficiência mental.

De janeiro até maio, o ICV já realizou um total de 1.025 testes. Apenas em janeiro, foram 211 exames, em fevereiro foram 204, em março 191 crianças foram examinadas, em abril o número cresceu, chegando à marca de 225, seguido de 194 testes em maio. O teste é gratuito e é oferecido no ambulatório do Instituto Cândida Vargas.

Esta estratégia é utilizada para evitar sequelas irreversíveis das doenças genéticas que podem acometer a criança, e só dá sinais e sintomas quando os defeitos já não conseguem ser corrigidos. Sequelas graves e irreversíveis como paralisia cerebral grave, atraso no desenvolvimento, entre outros.

“O teste deve ser feito com sangue da criança, que deve ser armazenada em papel filtro. O local de mais fácil coleta e de menor dano para a criança é a lateral do calcanhar. Trata-se de um exame laboratorial que consiste na punção do calcanhar do bebê para obtenção de amostras de sangue colhidas em papel filtro”, disse a médica do ICV, Juliana Soares.

A avó da pequena Maria Helena, Simone da Silva, que trouxe sua neta para fazer o teste no ambulatório, evidenciou a importância do exame para as crianças. “Todos os pais e responsáveis devem trazer suas crianças para fazer esse exame, que é muito importante no diagnóstico de doenças. Eu fiz questão de participar desse momento tão importante na vida da minha neta. No Cândida Vargas, a gente é bem atendida, pois contamos com uma equipe qualificada para realizar o teste”, disse.  

Juliana Soares informou que após 72 horas do nascimento do bebê, a criança já deve realizar o exame, pois quanto mais cedo coletar, mais rápido tem o resultado. Contudo, no caso de crianças muito prematuras em estado de saúde grave na unidade neonatal, é preciso aguardar até a estabilização clínica. Outro alerta é que não se deve ser coletado o teste após transfusão sanguínea, pois é preciso esperar 30 dias.

Resultados – Se o exame tiver alterado, o Laboratório Central (LACEM) encaminha o resultado para o ponto de referência no município de João Pessoa, que é Complexo de Pediatria Arlinda Marques (CPAM). A criança vai iniciar o processo de investigação para confirmar ou descartar a doença identificada.

Exames – As coletas são feitas diariamente no ambulatório do ICV. O agendamento é feito após a alta da paciente, com 72h após o nascimento. O resultado é programado e fixado na caderneta da criança. É necessária a apresentação do registro e do cartão SUS do recém-nascido.

Outros locais – Em João Pessoa, além do ICV, a triagem neonatal pode ser feita também no Hospital Universitário Lauro Wanderley (HUWL), Hospital Edson Ramalho e ambulatório da maternidade Frei Damião.

Expansão – No último mês maio foi sancionada pela presidência da República um projeto de lei que amplia o número de doenças que podem ser detectadas pelo teste do pezinho realizados na rede de saúde pública e a implementação deve acontece em 2022. A previsão é que o exame alcance 14 grupos de doenças.

Fonte: SECOM/JP

Foto: SECOM/JP