c João Pessoa
27/10/2020 - 09:33

Morre Aldir Blanc, aos 73 anos, vítima do coronavírus

image
A música brasileira perdeu um dos seus maiores compositores. Morreu, no Rio de Janeiro, vítima de complicações causadas pelo coronavírus, o compositor Aldir Blanc. Ele estava internado na UTI do Hospital Pedro Ernesto, em Vila Isabel, desde o dia 15 de abril, mas sua situação piorou na madrugada desta segunda-feira (4), quando veio a falecer.

Uma das composições mais conhecidas de Aldir é  “O Bêbado e o Equilibrista”, cuja música foi imortalizada na voz de Eliz Regina. A música se transformou em uma espécie de hino da anistia e de manifestações pela liberdade em todo o país.

Além de `O Bêbado e o Equilibrista`, sua obra  reúne outras tantas canções conhecidas do público, sempre com parcerias famosas feitas com artistas como João Bosco, Edu Lobo, Ivan Lins, Carlos Lyra,  Moacyr Luz, Guinga,  Maurício Tapajós, Wagner Tiso, Paulo Emílio, Roberto Menescal, entre outros.

Aldir Blanc surgiu para o público ao lado do eterno parceiro João Bosco, em 1972, em um projeto do jornal carioca O Pasquim chamado “Disco de Bolso”. Na época o semanário lançava um compacto simples, pequeno disco de vinil com duas canções. De um lado um artista consagrado, que no caso foi Tom Jobim com “Água de Março” e, do outro, a dupla com a canção “Agnus Sei”.

A dupla João Bosco e Aldir Blanc fez centenas de canções inesquecíveis como “Mestre Sala dos Mares”, “Kid Cavaquinho”, “Nação”, “Tiro de Misericórdia” entre várias outras.

Redação com informações da RevistaFórum
Foto: Divulgação