Quinta, 30, Junho, 2022
Saúde 3, maio, 2022

Profissionais das UPAs são capacitados para tratamento precoce de pacientes com sepse

thumb

Dentro da política do cuidado integral da população, a Prefeitura de João Pessoa está promovendo uma capacitação sobre o tratamento precoce de pacientes adultos acometidos por sepse, que é um conjunto de manifestações graves produzidas por uma infecção.

A capacitação é voltada para os profissionais que trabalham nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), na proposta de ampliar o trabalho que já vem sendo realizado no projeto ‘Sepse nas UPAs’. Nesta segunda-feira (02), o encontro foi com a equipe da UPA Bancários.

A meta é a aplicabilidade efetiva dos protocolos locais que permitam aumentar o reconhecimento da sepse, seu diagnóstico e o tratamento precoce, permitindo a adoção de medidas de contenção da doença, a fim de impactar, de forma positiva, nos desfechos clínicos.

“Esse projeto é de fundamental importância, pois trabalhamos com ações de sensibilização da equipe multidisciplinar da UPA. O objetivo é implantar o protocolo sepse na identificação precoce de pacientes suspeitos na unidade, envolvendo setores importantes no reconhecimento e manejo desse protocolo”, explicou a diretora da UPA dos Bancários, Vanine Vieira.

Protocolo – No projeto, as equipes das UPAs são capacitadas para o desenvolvimento de ciclos de melhoria e o tratamento precoce de pacientes acometidos por sepse, atendendo aos ‘4 Rs’ propostos de acordo com o protocolo: reconhecimento; ressuscitação; reavaliação e referenciamento.

Doença – A Sepse é um conjunto de manifestações graves em todo o organismo, produzidas por uma infecção que possui uma alta taxa de mortalidade no Brasil (aproximadamente 60%), superior ao descrito em países desenvolvidos. Tal aumento pode ser justificado pela dificuldade encontrada pelas equipes em identificar precocemente o paciente suspeito, resultando no atraso da aplicação dos pacotes de medida de ressuscitação e, consequentemente, piora do quadro clínico, sendo necessário o referenciamento para atenção terciária e aumento de procura por leitos de UTI.

Fonte: SECOM/JP

Foto: SECOM/JP