sábado, 22 de junho de 2024
Geral 17, outubro, 2023

Serviço de resgate aeromédico da Paraíba realiza mais de 270 horas de voo pela vida

thumb

Na Paraíba, o SUS tem asa e voa pela vida por meio do Grupo de Resgate Aeromédico (Grame). O serviço, implantado pelo Governo da Paraíba em 2020, é realizado de forma conjunta pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), Corpo de Bombeiros e Secretaria de Estado da Segurança e da Defesa Social (Sesds) e, nos últimos 12 meses, já realizou 277 horas de voo. São mais de 80 mil km voados e um total de 65 ocorrências, sejam elas missões de repatriação, transporte para fora de domicílio ou urgências dentro do território. 

A Paraíba foi o primeiro estado do Nordeste a implantar este tipo de salvamento com aeronave de asa fixa. No início, o Grame atuava com uma única aeronave, o Bombeiros 01. Em 2023, o Governo da Paraíba ampliou a oferta do serviço com mais uma nova aeronave, a Bombeiros 02. O novo equipamento é mais amplo, comporta mais gente dando espaço para o acompanhante do paciente e tem a capacidade de realizar voos diurnos e noturnos. 

O médico e coordenador do Grame, Elvio Lieverte, destaca que, além do serviço de UTI aérea para o transporte de pacientes de maneira programada, o Grame também trabalha no transporte de órgãos e tecidos, transporte inter-hospitalar, repatriação de cidadãos paraibanos e no apoio às operações institucionais do Governo, da Secretaria da Segurança e do Corpo de Bombeiros da Paraíba. Ele explica que a regulação do serviço é toda realizada por meio da Central Estadual de Regulação Hospitalar. O uso do transporte aéreo vai depender da gravidade e da estabilidade do paciente. 

“Primeiramente, é preciso ter a vaga disponibilizada na unidade referência que irá receber o paciente, por isso que toda a regulação do serviço é feita pela Central Estadual de Regulação Hospitalar. O hospital ou unidade solicitante entra em contato com a Central de Regulação e solicita a vaga. Depois que essa vaga é cedida, a Central viabiliza o melhor transporte, terrestre ou aéreo. Nós temos médicos que fazem parte do Grame e também da Central de Regulação para que façam junto conosco essa avaliação se o paciente tem viabilidade de transporte aéreo. Sendo viável para este tipo de transporte, a solicitação é preenchida pela unidade solicitante e enviada para o Centro de Operação de Frotas e de lá é enviado para o Grame para então iniciar a operação”, explica. 

A equipe do Grame é formada por médico, enfermeiro, piloto, copiloto e os operadores aerotáticos. De acordo com a médica Alana Albuquerque, o serviço está colocando também um profissional de fisioterapia para acompanhar nas missões. “Somos pioneiros em colocar a fisioterapia, especialmente a respiratória, nos traslados aéreos, principalmente nas repatriações que tem uma demanda maior. Dessa forma, conseguimos dar maior assistência ao paciente que está intimado e daquele que precisa do suporte ventilatório”, destaca.

O capitão e comandante da aeronave, Alisson Soares, ainda lembra da primeira missão de repatriação do Grame. Um paciente pediátrico precisou realizar uma cirurgia cardíaca pelo SUS em São Paulo e o resgate aeromédico trouxe a criança de volta para a Paraíba para terminar o tratamento ao lado da família. “Nossa primeira repatriação foi bem marcante. Foi montada toda uma estrutura para realizar a operação. Para realizar a missão foi necessária uma articulação com outros estados para garantir a retaguarda, pois a aeronave precisava fazer paradas estratégicas para abastecimento em Minas Gerais e na Bahia. Foram 11 horas de missão: o voo saiu de São Paulo às 9h e chegou na Paraíba às 20h. E deu tudo certo”, lembra.

O Grame atua na Paraíba desde 2021, transportando pacientes que precisam de cuidados em outras unidades hospitalares, sejam elas dentro ou fora do estado. Hoje, o serviço estadual conta com duas aeronaves disponíveis, uma delas com autonomia de 4h30min de voo. 

Fonte – SECOM-PB